segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Dia estranho de gente esquisita!

Putz, eu já tinha terminado o post quando o notebook deu pau e travou e perdi o texto. Holy shit! Vamos lá de novo... e em versão redux.

Hoje tivemos os filmes mais outsiders de até então. Desde irmã Dorothy, passando pelos bilaus do Derek Jarman e de um romeno, até terminarmos em casamento gay. 

O filme sobre a morte da freira na Amazônia, Mataram a Irmã Dorothy, a gente não foi ver. Não que a gente não quisesse (ok, a gente queria, mas não muuuuito), mas tínhamos textos para finalizar. Além do mais, Rio de Janeiro em pleno domingo chuvoso não anima  muito. Quem viu disse que é bacaninha e tal (nada me tira da cabeça que deve ser sensacionalista à beça), ainda que sem impacto para nós, brasileiros, que já conhecemos a história.

Chegamos para ver o segundo da noite, Derek, documentário sobre o famoso cineasta-pintor Derek Jarman, que é um dos homenageados desse ano com toda uma mostra. Jarman, falecido em meados da década de 90 em decorrência da AIDS, ganhou um bonito retrato por parte de sua musa, Tilda Swinton. Eu vou escrever uma resenha exclusiva pro filme depois.

Em seguida, assistimos a Boogie, comédia romântica (??) romena (??). A expectativa era grande e tal, até porque o cinema da Romênia hoje em dia está em primeiríssimo plano. E porque tinha a gracinha da Anamaria Marinca, de 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias. Mas que decepção! Difícil ver filminho mais machista e reacionário que este, que celebra o machón way of life romeno. Um blá blá blá interminável em planos mais intermináveis ainda. Para piorar, há uma cena em que o machón-romeno principal ainda lava o bilau na pia pra todo mundo ver. Sei não... A Geo vai escrever resenha.

O último da noite, De Repente, o Inverno Passado, por sua vez, foi uma delícia (aleluia! não aguentávamos mais filmes depressivos!). Um casal de jornalistas gays decide apresentar em um documentário (caseiro mesmo, filmado em digitais) toda a situação da união estável homossexual no país do Mussolini (ok, peguei pesado com os torcedores da azzurra). E eles entrevistam políticos, militantes de extrema-direita, o povão nas ruas, sempre de forma descontraída, além de apresentarem seus cotidianos de forma carinhosa e não-apelativa. Pena que poucos jornalistas ficaram para assistir ao filme (também, depois da verborragia interminável dos romenos...). 

Bom, vou dormir que amanhã é dia de acordar cedo... tem cabine de Rio Congelado logo pela manhã. Inté!

3 comentários:

Eduardo disse...

Valeu pela atualização!
Bons filmes amanhã!

Léu disse...

Ansioso pelas resenhas =)

VLW por postar continuem está muito show!!!

Conrado Heoli disse...

Olha, também não espero muito do documentário sobre a irmã Dorothy... Até o título é sensacionalista. Quero conhecer o cinema do Jarman (infelizmente ainda não vi nada dele), e vou lembrar de passar longe de Boogie. Agora o último documentário me pareceu interessante!

Abração Andy, bons filmes hoje! ;)